Corporação Musical

A tradição festeira de Minas Gerais, não dispensa de modo algum a presença de uma Banda de Música. Ela é a animadora da festa e por ela se marca o ritmo das comemorações. Resgatar e dar sobrevivência às bandas de música é garantir a continuidade dos momentos de descontração de um povo sofrido e carente de boas emoções. Em Cristina essa tradição é mantida há muito tempo.

A primeira banda da cidade foi fundada entre 1903 a 1910, simplesmente denominada Banda de Christina, conforme registros dos jornais da época (Jornal de Caxambu – Anno I/ nº 13 de 25 de maio de 1913). Nele está escrito: “A Banda de Música é muito boa e é regida pelo Sr. João Ferrer, entre seus elementos conta um jovem requintista de justa fama, o Sr. Benedito Garcia”.

Em entrevista com o ex maestro Lázaro Diego, nos informamos de  que mais tarde houve uma banda de dirigida pelo Sr. Benedito Garcia e anteriormente por seu pai. Em uma determinada época a música  foi ensinada pelo Sr. Sebastião Rezende, na antiga garagem do Sr. Antônio Alves, localizada à rua Cel. Batista Pinto. Ele ensinava com a finalidade de formar uma nova banda na cidade.

Na década de 40 nossa banda era chamada Corporação Musical Sagrado Coração de Jesus No  livro de  Registro de Leis Municipais nº 1, da gestão do prefeito João Teixeira Pinto, entre suas realizações consta a Lei nº 27, de 16 de setembro de 1948, abrindo crédito especial em favor da Corporação Musical Sagrado Coração de Jesus.

Na década de 1950/60 havia em Cristina a Corporação Musical Pedro Canela de Oliveira que tinha por presidente o Sr. Pedro Canela de Oliveira, e como regente o maestro Antônio de Freitas Carvalho. A existência dessa corporação Musical pode ser comprovada por registro do estatuto da mesma em cartório, feito em 1963, bem como por fotografias da época.

Segundo Lázaro Diego, o sr Pedro Canela de Oliveira não era músico, mas amante dessa arte. Como a Prefeitura não doava instrumentos, Pedro Canela fez uma lista de donativos e conseguiu  a importância suficiente para comprar os mesmos. Recebeu então a banda formada,  o nome de Banda Pedro Canela de Oliveira.

 Na década de 60 o prefeito  Dr. Gabriel Ribeiro Ferraz criou a  escola Municipal de Música denominada Escola de Música Pedro Canela de Oliveira, pela lei 412 de 21 de março de 1963. Esta escola tinha Estatuto registrado, sob o número de   ordem 23, encontrando-se às folhas 47 e vº do Livro de Registro de Estatutos, em data de 18 de maio de 1963 no Cartório de Registro Civil de 1º Ofício.

Na década de 70 o maestro Antônio de Freitas Carvalho formou uma banda com crianças e jovens da cidade, a chamada carinhosamente “Bandinha” e que durante muitos anos alegrou o coração dos cristinenses. Por ocasião de doença do Sr. Antônio de Freitas Carvalho, na década de 90, este foi substituído na regência por Lázaro Diego, que permaneceu por algum tempo dirigindo a banda (de 90 a 94), por ser ele o mais velho da turma. Por ocasião  da morte do maestro Antônio de Freitas Carvalho, sua esposa D. Lia, entregou a Lázaro Diego a batuta que pertencia ao Sr. Antônio, e que ele guarda até hoje com muito carinho. Nesta época a banda era chamada Corporação Musical Antônio de Freitas Carvalho, nome que leva até hoje. Alguns a chamavam Corporação Musical Pedro Canela de Oliveira.

 Em 1992 pela lei  nº 3.344, do prefeito José Clênio Pereira a Corporação Musical foi declarada de utilidade pública. A declaração está escrita nos seguintes termos:

A Câmara Municipal de Cristina aprovou e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte lei:

Art. 1 – Fica declarada de utilidade pública a “Corporação Musical Pedro Canela de Oliveira – Banda Antônio de Freitas Carvalho”.

Art. 2 – Revogam-se as disposições em contrário, entrando a Lei em vigor na data de sua publicação.

Prefeitura Municipal de Cristina, 27 de janeiro de 1992.

José Clênio Pereira

Prefeito Municipal

Dentre os músicos que fizeram história nas bandas de Cristina citamos: Benedito Martins, “Quinzinho Marimbondo”, Dirceu Fleming, Haroldo Fleming, Luis Reis, Alfredo, Lázaro Diego, “Trombonada”, Claret Aley, entre outros, isto conforme informações do último citado.

Dentre os maestros que dirigiram nossa banda citamos: Benedito Garcia e seu pai, Antônio de Freitas Carvalho, Lázaro Diego, José Arnaldo, “Terrão”. Nos últimos tempos Everton Carneiro, Benedito Ferreira Brás e João César da Silva.

Muitas pessoas foram responsáveis pela continuidade da Banda de Cristina que era mantida  a princípio pela iniciativa privada e por seus integrantes, que não mediam esforços para mantê-la em funcionamento. Atualmente a Corporação Musical é mantida pela Prefeitura Municipal de Cristina com pagamento do Maestro João César da Silva, faxina e despesas de energia elétrica.