Crendices Populares

Conta-se na tradição folclórica oral de Cristina que nas noites de lua cheia, em determinada época, uma mulher vestida de noiva desce a Rua do Clube Operário com um buquê de flores brancas na mão, arrastando o seu vestido. Ela vai até a Matriz e depois desaparece.

As sextas-feiras da quaresma vê-se um velho que desce a Rua do Hospital fumando cachimbo, batendo a bengala e some quando termina a ladeira.

Nas noites de lua cheia, quem se dirige pro lado da "Piscina" de madrugada pode ver o "Lobisomem" atravessar a rua, entrar embaixo da cerca de arame e desaparecer pelos pastos das imediações.

Dizem que nos arredores do Chafariz pode se ver de madrugada um velho barbudo carregando baldes de sangue.

Dizem que nos arredores do Chafariz pode se ver de madrugada um velho barbudo carregando baldes de sangue.

Perto da Torre do Cruz pode-se ver uma enorme bola de fogo que segue as pessoas. Os mais velhos dizem que são os escravos, mortos devido as crueldades dos senhores, pois o Pelourinho ficava próximo.

Quem segue a Rua Mal. Deodoro da Fonseca à noite é seguido por um homem de chapéu tapando o rosto. Conta-se que a cada vez que você olha para traz ele vai crescendo e fica mais alto que o poste.

Na quaresma, à noite, sai da igreja uma porca acompanhada de seus filhotes. Eles andam pela cidade toda e depois voltam para a igreja.

Conta-se que havia um caminhão que descendo do cemitério, passava pela praça central e se dirigia para a Graminha. Mas só dele só se viam os faróis e o ouvia-se o barulho do motor.

No Santo Cruzeiro aparecia, altas horas da noite, uma mulher de branco. A medida que as pessoas iam chegando perto , ela ia crescendo, crescendo e se curvava pro lado destes indivíduos, que desmaiavam.

Dizem que o Saci-pererê aparece no Campo do Rosário nas sextas-feiras treze.

Dizem que nos arredores do Chafariz pode se ver de madrugada um velho barbudo carregando baldes de sangue.

Dizem que nos arredores do Chafariz pode se ver de madrugada um velho barbudo carregando baldes de sangue.

Perto da Torre do Cruz pode-se ver uma enorme bola de fogo que segue as pessoas. Os mais velhos dizem que são os escravos, mortos devido as crueldades dos senhores, pois o Pelourinho ficava próximo.

Quem segue a Rua Mal. Deodoro da Fonseca à noite é seguido por um homem de chapéu tapando o rosto. Conta-se que a cada vez que você olha para traz ele vai crescendo e fica mais alto que o poste.

Na quaresma, à noite, sai da igreja uma porca acompanhada de seus filhotes. Eles andam pela cidade toda e depois voltam para a igreja.